domingo, 13 de fevereiro de 2011

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Encontro Presencial no Pólo Educacional de Restinga Sêca

Professores da UFRGS e alunos do Curso de Extensão Mediadores de Leitura para a Bibliodiversidade foram recepcionados pela Coordenação do Pólo Educacional Superior de Restinga Sêca,  nos dias 18 e 19 de janeiro, em Restinga Sêca.
Na oportunidade foram apresentados Projetos de Leitura que já acontecem em algumas Escolas onde atuam professores/alunos do referido Curso.
Vários trabalhos com excelente qualidade foram mostrados; em evidência os trabalhos realizados pelas professoras Especialistas Adriana Heinsch , Cleana Brum e Vera Lúcia Kelling.

Nossos alunos no blog






segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

LEMBRANÇAS

LEMBRANÇAS
Cleana E. C. Brum


Quando a saudade transborda

Fonte: itsdiegotoldo.tumblr.com/
Lembro a primeira vez...
Quando foi mesmo a primeira vez?   
Foi aquele amanhecer!
Ou será que foi a última vez?
Não sei ao certo...
Todas as vezes tiveram
A expectativa da primeira
E a nostalgia da última vez...
Fonte: www.imotion.com.br/
  

PRIMAVERA

Vera Lúcia Vargas  Kelling   
Flores que exalam as mais doces fragrâncias,
Iluminadas pela luz do sol do amanhecer,
Trazem-me da infância a lembrança mais pura,

Vista de Arles com Lírios -  Vincent van Gogh

Buscada ao longe, na imensidão do horizonte azul,
No tempo que outrora deixamos passar.

Mágica primavera, que ainda há de chegar!
Cercada por flores para enfeitar nosso caminho,
Nas águas cristalinas da fonte do nosso lugar.
Recordarei canções, que você há de cantar.

Entorno ao silêncio, a casa continua tapera,
E o campo em flores, saudoso nos espera...



terça-feira, 11 de janeiro de 2011

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

A CARTOMANTE - Intertextualização

AS CARTAS NÃO MENTEM... JAMAIS!
Cleana E. C. Brum

         Idos de 1983. Na pequena casa, na zona central da cidade, a mulher angustiada limpava a louça do almoço. Tinha ficado inquieta com os comentários feitos por sua mãe, a respeito de companhias com quem havia se acompanhado ao show infantil no qual levara seus filhos no dia anterior.  A mãe lhe aconselhou a não mais sair em companhia da vizinha Alice e de seus sobrinhos, também pequenos, regulando em idade com seus filhos. O “conselho” caiu como um raio, foi fulminante.
         Louça lavada, panelas bombrilhadas, refletiam sua imagem um tanto fora de forma, embora sua pele e seus cabelos fossem bem tratados.
         A mulher resolveu que aproveitaria a ausência do marido, que estava para o interior, ocupando-se de lidas agropecuárias, iria à casa da famosa cartomante Eliane, que morava em bairro distante do centro. Eliane morava próximo ao cemitério municipal, bem longe do centro. Não a conhecia, nunca tinha visto antes aquela figura cheia de mistérios e segredos, inclusive o seu.
         Lembrou-se do que suas amigas e clientes (a mulher era consultora de beleza de famosa marca de cosméticos) contavam a respeito da competência dessa cartomante em desvendar segredos e apontar soluções. Qual seria o mistério que havia na fala de sua mãe? Será que...? Será...?
         Considerou a distância, o sol que estava cáustico, o pouco dinheiro. Mas a ansiedade era maior. Decidiu-se por desviar aqueles 5 cruzeiros que guardava para gastar com seus cosméticos. Vestiu uma camiseta com mangas e decote que a protegessem do sol. Óculos escuros, cabelos presos em um rabo de cavalo. Bermuda vermelha e branca em xadrez miúdo, nos pé, havaianas. Um visual comum, incapaz de despertar atenção. Em momento algum do trajeto, que faria a pé, poderia encontrar algum conhecido, logo saberiam onde estaria indo. O marido não a perdoaria por estar gastando com essas bobagens. Suas amigas e conhecidas iam lá com frequência, mas iam de carro, assim não eram vistas a caminho da “madame” e seus maridos jamais suspeitariam, pois estacionavam carros em frente ao cemitério!
         Distância vencida, sem olhar para lado nenhum, não podia correr o risco de encontrar conhecidos, logo saberiam que ela estaria indo à cartomante, afinal para aqueles lados era a cartomante ou o cemitério. Não queria as indagações que as pessoas inescrupulosamente fazem a respeito de andar-se por “aqueles” lados. Também tinha a vergonha de ir à cartomante.
         Chegou. Suada e vermelha, sua pele era muito alva, sensibilizava-se ao sol. Apesar do estado físico que chegara teve a sorte de não encontrar nenhum conhecido pelo caminho e melhor, na sala de espera só ela.
         Um rádio ligado para confundir os sons. Então começou a agonia da espera na antessala. Na aflição da espera começou a lembrar um conto que leu certa vez. Era um conte Machado de Asssis, “A Cartomante”. Por um momento sentiu um arrepio em lembrar o fim de Camilo e Rita... “credo que horror!” pensou.
         Tomara que a cliente que estava a consultar não fosse sua conhecida, coisa desagradável encontrar conhecidos nesse lugar, o que iriam pensar? Sem contar a pergunta cretina que fazem a quem está esperando, como que a justificar a presença ali: “tu acreditas nessas coisas”?
         Acreditando ou não, lá estava a mulher. Suada, vermelha, trêmula, ansiosa. Estava a um passo da verdade. Enquanto esperava conversava com uma simpática menina, filha da Eliane, mas a lembrança da tragédia de Rita e Camilo ainda povoava seus pensamentos. A consulente que estava no consultório saiu. Que alívio! Não era sua conhecida, pelo menos não a ponto de explicarem-se por que estavam por ali.
         Incrível! Eliane não parecia com aquelas figuras caricaturadas que a literatura costuma nos apresentar para caracterizar uma cartomante. Era uma mulher relativamente jovem, com idade semelhante a sua, uns 25 anos aproximadamente. Pele e cabelos claros. Os cabelos conservavam a cor natural, um loiro-cor-de mel, soltos na altura dos ombros, estatura mediana, não era magra, mas não podia ser considerada gorda. Tinha seios fartos, talvez isso lhe desse um aspecto mais cheio. Olhos esverdeados, sorriso claro.
Vestia roupa clara e discreta. Nenhum esmalte nas unhas, nada de maquiagem, nada de turbantes e outros apetrechos. Uma aparência comum, agradável.
                  Mandou que a mulher entrasse. Perguntou-lhe o nome, a data de nascimento. Perguntou quem havia lhe indicado para a mulher. A mulher respondeu que fora uma amiga, aliás, as amigas sempre faziam bons comentários a seu respeito. Eliane tinha um crédito muito grande no seu círculo de amigas e clientes.
         O “consultório” era muito limpo, lajotas brilhantes no chão, uma mesa quadrada com toalha muito alva, duas cadeiras, um ventilador, e um copo de água sobre a mesa. Na parede um enorme quadro com a imagem de São Jorge; ao que a cartomante disse: “é ele quem responde, meu guia!”
         Pediu que a mulher baralhasse as cartas e depois cortasse em três partes. Cortadas às três partes pediu-lhe que escolhesse um montinho. Agarrou o montinho, firmou-o entre as mãos, olhou a consulente nos olhos, sorriu levemente e perguntou quem a mulher queria marcar.
         A mulher totalmente atordoada pela ousadia que tivera indo fazer aquela consulta correspondeu ao olhar firme e respondeu: “meu marido”. A sorte estava lançada... naquele montinho de cartas, seguras entre as mãos fofas da cartomante, estava o grande segredo. Num lampejo ainda lhe voltou à mente a tragédia de Machado.
         A cartomante virou a primeira carta. Apareceu a figura de um homenzinho de terno verde. Virou a segunda carta. Uma raposa com ar sorrateiro. A terceira carta – uma mulher de vestido claro, cortado na cintura e saia aramada, como os modelos dos anos 60.
         Eliane olhou fixamente para as três cartas abertas em cima da mesa. Seu rosto ficou sério. Olhou para a mulher que ansiava por escutá-la. Sem hesitar, sem medo de errar a cartomante foi taxativa: “teu marido tem outra mulher”.
         Pasma pela sentença que acabara de ouvir, a mulher pouco prestou atenção aos detalhes que faziam parte da história. Oura vez à memória o trágico fim de Rita e Camilo... Contudo ainda registrou que o caso era sério e que a raposa era alguém que ela conhecia, e que familiares da raposinha conviviam com a mulher. Descreveu a outra nos mínimos detalhes. O conselho da mãe estava decifrado! A maldita raposa era irmã de Alice. As crianças que Alice levara ao show, em companhia da mulher e seus filhos, eram os filhos da raposa.
         E agora, o que a mulher faria com essa revelação? Como dizer ao marido que sabia de tudo? Como inquirir o marido com base em uma consulta à cartomante?
         O marido, se bem o conhecia, riria dela...  chamar-lhe-ia de otária, dando ouvidos a esse tipo de gente. Juraria que era mentira, compraria umas panelas novas, um fogão novo, um sofá novo - era seu costume, para aliviar-se de algum pecado, equipar a cozinha com as novidades do momento; e proibiria a mulher de voltar naquela charlatã. 
          Que dom teria a cartomante para conhecer os segredos mais resguardados? Que dom é esse de dominar mistérios? E o que fazer com revelações chocantes e imutáveis?
         O que a mulher faria com aquele segrede descoberto? Juntando as peças ela sabia que a cartomante dizia a verdade, mas o marido negaria, com base na cartomante. Os amigos prefeririam não se meter. E agora... “e agora José?” 
         A mulher estava convicta da traição e da raposa, porém não podia dar como testemunha uma cartomante. Agora, diante da verdade, havia uma questão de honra, uma atitude precisava ser tomada. Afinal todos esperam uma atitude que dê um fim digno a um caso assim. A atitude demorou um pouco, mas veio. Era preciso provas que vieram em abundância, e não apenas revelações de uma cartomante.
         Não houve nenhum crime para lavar honras feridas. O fim foi menos drástico - uma separação apenas, que doeu tanto quanto a morte, não foi um crime passional, mas foi uma morte; a morte de um sonho que enlutou a mulher por muito tempo.
         O marido continua odiando cartomantes e a mulher, pelo menos uma vez por ano, faz uma consulta, pois acredita em bruxas e que elas existem... existem.





quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Solidão

Autopsicografia
                                Fernando Pessoa
O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as dores que ele teve,
Mas só a que eles não têm.
E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.